• Mais Saúde

Vacina que será testada no Brasil tem quase 100% de sucesso



O ano de 2020 está sendo totalmente diferente do que as pessoas esperava. Neste momento delicado que vivemos em meio a pandemia, cercado de medos e incertezas, um sinal de esperança aparece.


Duas vacinas se mostram extremamente promissoras em suas fases de teste, e ambas serão testas no Brasil. Uma delas em parceria com a Universidade de Oxford, do Reino Unido, e a outra em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.


Vacina de Oxford

A princípio essa vacina será testada em 2.000 pessoas no Brasil, no Rio de Janeiro e em São Paulo. O país será o primeiro a iniciar a eficácia de uma vacina no mundo inteiro.


A farmacêutica parceria e a Universidade acreditam que a vacina fornecerá ao menos 1 ano de proteção. Após a fase de testes, que se encontra no estágio 3, é esperado resultados clínicos entre agosto e setembro, para que assim a vacina seja finalizada e entregue a partir de outubro.

Vacina da Sinovac


Foi anunciado pelo estado de São Paulo, o início da fase de testes avançada de uma vacina para a COVID-19, em parceria com a farmacêutica Sinovac. A previsão é de que sejam realizados cerca de 9.000 testes a partir de julho e, caso bons resultados sejam obtidos, será feita a produção de novas doses até junho de 2021.


A farmacêutica chinesa ainda informou que a vacina atingiu total eficácia em 90% de seus pacientes testados na Ásia, promovendo a produção de anticorpos resistentes contra o vírus.

A fase de testes

Antes de uma vacina ser de fato comprovada, ela é submetida a uma rigorosa fase de testes onde sua segurança e eficácia são analisadas. Primeiramente são analisadas as moléculas promissoras. Após isso são feitos estudos em organismos vivos (como animais tipo rato ou macaco), e por fim a fase clínica de testes em humanos.


A fase de testes em humanos é dividida em 3 fases, que são:


• Fase 1: avaliação inicial monitorada com uma pequena quantidade de adultos voluntários; • Fase 2: avaliação aleatória com centenas de pacientes que serão acompanhados e terão seus dados utilizados na fase 3; • Fase 3: Teste em grande escala com milhares de pacientes para avaliação definitiva.



Após esses 3 estágios, se a vacina fornecer efeito seguro e eficaz, ela será protocolada com um registro sanitário, e poderá ser produzida em várias doses para toda a população.

0 visualização

Instituto Catarinense Mais Saúde ®