• Mais Saúde

Primeiros socorros e sua importância


Em algum momento da vida, qualquer pessoa pode precisar de um atendimento de emergência, seja decorrente de uma lesão, acidente, maus súbitos ou simplesmente situações que colocam a vida em risco.


Essas são coisas que não estão programadas, e podem acontecer a qualquer hora e lugar, seja em casa, no trabalho, na rua. E são em horas como essa que os primeiros socorros se fazem essenciais.


Nesses momentos de urgência, o conhecimento sobre técnicas de atendimentos e socorros, podem salvar uma vida. Mas é de extrema importância manter a calma e ter o pleno conhecimento dos procedimentos antes de tentar ajudar.


As técnicas de primeiros socorros devem ser empregadas, acima de tudo, para situações onde se precisa reanimar uma pessoa (como vítimas de afogamento) ou ganhar tempo e mantê-la estável até o socorro chegar.


Tipos mais comuns de emergência


É de extrema importância saber diferenciar a origem e causa do problema antes de prestar um atendimento. Pois caso uma técnica errada seja utilizada, corre-se o risco de se agravar o caso.


Os procedimentos mais comuns são:


• Massagem cardíaca: este é um procedimento destinado para casos onde a pessoa sofreu uma parada cardíaca. É recomendado que se chame o socorro imediatamente e mantenha a massagem cardíaca até a ajuda chegar.


• Estancar sangramentos: cortes são ferimentos relativamente comuns hoje em dia, principalmente os de origem doméstica. Nesta técnica o ideal é manter o local da ferida virado para cima, limpa-lo e, usando proteção nas mãos (luvas ou até mesmo sacola), pressionar o corte até o socorro chegar.


• Desafogar: a primeira coisa a se fazer em casos de afogamento é verificar a respiração da vítima e, caso esteja respirando, deve ser colocada de lado para que não sufoque. Caso não esteja, deve ser realizada a respiração boca a boca. Nela a vítima deve estar com a cabeça inclinada para trás e queixo para cima. O nariz da vítima deve ser tapado e, com as bocas conectadas, o ar deve ser soprado lentamente até que o peito da vítima seja preenchido com ar. O procedimento deve ser repetido, durando cerca de 1 segundo até que a vítima acorde.


• Cuidados com fraturas: traumas graves podem causar fraturas, e este é um quadro delicado. Em casos de fratura exposta, não tente mover ou realocar o osso, apenas cubra o local com um pano. Em casos de “fraturas comuns”, onde não há exposição nem sangramento, tente imobilizar o membro com auxílio de uma tala (pedaço de madeira ou papelão enrolado com uma faixa).

57 visualizações

Instituto Catarinense Mais Saúde ®